A ÉTICA DO DISCURSO DE HABERMAS E SUAS LIMITAÇÕES

Jeverton Soares dos Santos

Resumo


O objetivo deste artigo é apresentar o modo pelo qual Habermas formula a sua ética do discurso e como tal programa se comporta diante da questão da fundamentação (tanto na dimensão metaética quanto moral) (Seção 1). A hipótese de trabalho que guia a nossa investigação é a de que, apesar de possuir uma complexa fundamentação teórica, a ética do discurso de Habermas cai por terra quando se depara com o problema da aplicabilidade moral, tendo em vista que ela depende de um contexto político – quase utópico – que garanta a sua efetividade, algo que não passou despercebido pelos diversos críticos deste projeto ético (Seção 2).

 

 

O objetivo deste artigo é apresentar o modo pelo qual Habermas formula a sua ética do discurso e como tal programa se comporta diante da questão da fundamentação (tanto na dimensão metaética quanto moral) (Seção 1). A hipótese de trabalho que guia a nossa investigação é a de que, apesar de possuir uma complexa fundamentação teórica, a ética do discurso de Habermas cai por terra quando se depara com o problema da aplicabilidade moral, tendo em vista que ela depende de um contexto político – quase utópico – que garanta a sua efetividade, algo que não passou despercebido pelos diversos críticos deste projeto ético (Seção 2).


Referências


ALBERT, Hans. Tratado sobre la razón crítica. Buenos Aires: Editorial SUR, 1973.

APEL, Karl-Otto. Etudios éticos. Coyoacán: Fontamara,1999.

ARAÚJO, Luiz Bernardo Leite. Habermas e a ética do Discurso. [S.I]. Disponível em: . Acesso em 8 maio de 2014.

BENHABIB, Seyla. The utopian dimension in communicative ethics. New German Critique, n°35, Special Issue on Jürgen Habermas( Spring-Summer, 1985), pp.83-96.

HABERMAS, Jürgen. Aclariaciones a la ética del discurso. Valencia: Psikolibro, 2000.

___________. Consciência moral e agir comunicativo. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1989.

___________. A ética da discussão e a questão da verdade. 3º ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2013.

___________. A inclusão do outro: estudos de teoria política. São Paulo: Loyola, 2002.

___________. Teoria do Agir Comunicativo. São Paulo: Martins Fontes, 2012. Vol.1.

___________. Verdade e justificação: ensaios filosóficos. São Paulo: Loyola, 2004.

KANT, Immanuel. Crítica da razão prática. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2013.

NAGEL, Thomas. Visão a partir de lugar nenhum. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

OLIVEIRA, Nythamar. Tractatus ethico-politicus: genealogia do ethos moderno. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1999.

PERSCH, Danilo. A Ética do discurso de Habermas: fundamentação e aplicabilidade.

Filosofazer, Passo Fundo, n° 35, jul./dez, 2009, pp.69-87.

PINZANI, Alessando. Habermas. Porto Alegre: Artmed, 2009.

REESE-SCHÄFER, Walter. Compreender Habermas. Petrópolis: Vozes, 2009.

SOUZA, Ricardo Timm. Totalidade & desagregação: sobre as fronteiras do pensamento e suas alternativas. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1996.

TUGENDHAT, Ernst. Lições sobre ética. Petrópolis: Vozes, 1997.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


OUTRAS PUBLICAÇÕES DA UNIVERSIDADE FRANCISCANA

 

Artes, Letras e ComunicaçãoCiências da SaúdeCiências HumanasCiências Naturais e Tecnológicas

Ciências Sociais AplicadasThaumazeinVidya

 

INDEXADA EM

 

Os artigos publicados não expressam necessariamente a opinião da revista e são de responsabilidade exclusiva dos autores.

Não há custos de publicação e leitura, mas doações são bem vindas.

Todos os custos são cobertos pelo Centro Universitário Franciscano.


Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License.